Notas sobre a Willa

outubro 23, 2016


Eu não sei se tem uma tradução direta do termo fostering para português, mas bem, vocês talvez tenham visto no instagram que eu estou com um cachorrinho em casa. O nome dela é Willa, uma galga espanhola de 1 ano e 2 meses, que vai ficar aqui em casa essa semana para eu poder avaliar o comportamento dela, com a possibilidade de adoção. Ela chegou de viagem no dia 21 de Outubro e já está se sentindo em casa.

• Quando a Lola viu a intrusa, ficou bem brava. De acordo com a voluntária que a trouxe, isso é bom, porque vai ser mais fácil pra ela colocar a Willa em seu lugar. Por enquanto as duas estão separadas, só sentindo o cheiro uma da outra. Pra se sincera, tô morrendo de saudades de passar o dia agarradinha com a minha gata, mas tentando me consolar de ser uma situação temporária até as duas se acostumarem a estarem juntas sem perigo ou tanto estresse.

• Willa dormiu a noite inteirinha sem problemas nesses dois dias. Acho que ela já entendeu que meu quarto fica fora dos limites e nem tenta entrar. Cansar ela antes de dormir também pode ter ajudado bastante. Eu é que não consegui dormir nada na primeira noite, com medo de que ela ia começar a chorar de madrugada e meus vizinhos iam aparecer com tochas querendo me matar.

• Eu estou tentando deixar ela o mais independente possível já que eu vou precisar ficar fora de casa por algumas horas nos dias de semana. Por enquanto ela aceita bem. Fui fazer uns testes de sair de casa por períodos mais curtos de tempo pra ver como ela reagia, mas a bichinha só dorme e acho que nem reparou na minha ausência.

• Ela quer pegar todos os pombos que encontra na rua. E só tem pombo em Lisboa. Aos poucos ela está ficando melhor em deixar os pombos pra lá, e eu tenho que ficar atenta assim que ela sobe as orelhinhas pra corrigir e tentar distrai-la antes que ela saia correndo porque fica difícil de segurar. Galgos são sighthounds, criados pra caçar usando a visão. Além dela conseguir detectar uma sacola plástica voando a quilômetros de distância, ela também tem o instinto de correr atrás de tudo que se move.

• Depois de acordar e encontrar uma piscina de xixi e cocô na sala no primeiro dia, Willa parece ter pego o jeito de fazer as necessidades na rua. Não teve nenhum acidente no segundo dia e segurou até a hora dos nossos passeios. Essa manhã tinha um presentinho no meio da sala de novo, mas imagino que como o estômago dela ainda está desregulado (estresse, mudança de ração, etc.), não tenha jeito.

• Ela faz sucesso na rua. Volta e meia alguém pergunta que raça ela é e pergunta se pode fazer carinho. E ela adora receber uns mimos de estranhos.

• Encontrar cachorros durante os passeios ou é uma maravilha ou é um desastre. Se o cachorro está já perto dela, ela se comporta bem. Uma cheiradinha mútua de bundas, uns cumprimentos, e seguimos caminho. Mas se ela vê um cachorro do outro lado da calçada ou lá longe, fica histérica. Quer correr em direção ao bicho, fica latindo, chorando, engasgando de tanto puxar a guia e é claro que o dono do outro cachorro fica assustado e me olha de cara feia. Mas se a gente já conseguiu fazer progressos com os pombos, imagino que conseguiremos fazer progressos com isso também.

• Já tinha ouvido falar que galgos eram os reis do sofá e bichos que dormem o dia inteiro, mas não imaginava que fosse tão verdade assim. Apesar da Willa ser jovem e animada, ela passa o dia quase inteiro largadona no sofá. Nós passeamos bastante pra ela gastar energia, mas enquanto ela tá em casa, ela tá no sofá. Levanta pra beber água, pegar um brinquedinho ou uma meia e... levar pro sofá.



Por enquanto, ser foster parent de um cachorro está sendo uma experiência deliciosa e assustadora ao mesmo tempo. Quando olho pra carinha dela deitada com a cabeça na almofada, não me arrependo de nada. Mas de vez em quando bate um medo horrível, uma sensação de "meu Deus o que é que eu fui inventar", saudades da rotina de antes, culpa em relação a Lola e vontade de sumir. Mas a vida é assim, tudo que nos tira da zona do conforto nos desequilibra emocionalmente por uns tempos.

Essa semana vai ser o teste de ficar sozinha durante minhas aulas, pra ver se ela tem ou não ansiedade de separação e começar a introdução dela com a Lola pra ver se a Willa pode ser treinada a conviver com gatos e se a Lola consegue ser feliz dividindo o teto com um cachorro. Olhando pra essa coisinha fofa, eu só posso torcer para que sim.

20 comentários:

  1. gente, como ela é linda! e que coisa mais diferente essa coisa de fostering, mas é uma boa mesmo pra ver se esse período de adaptação é tranquilo, né? já vi tanta adoção não dar certo, achei uma ótima ideia! boa sorte com a nova rotina - quero ver mtas fotos dessa lindeza! :)

    ResponderExcluir
  2. Sim, e é ótimo também porque é uma época pra avaliar a personalidade do cachorro (o que é difícil fazer num abrigo com literalmente mais de 700 cachorros) e como ele se comporta em uma casa. Assim, mesmo que ela não seja adequada pra viver comigo, já dá pra saber o que procurar na possível família definitiva dela.

    ResponderExcluir
  3. Ela é uma fofa, depois conta como foi a adaptação com o miau ok? To curiosa.
    Nunca ouvir falar dessa raça sério, mas acheia a pelagem dela diferente, adorei esse tom caramelo.

    ResponderExcluir
  4. Fostering seria socialização? Você é bem corajosa de topar essa empreitada com uma gata em casa. Bem capaz da Willa ficar tranquila em relação à Lola, já o mesmo não se pode dizer sobre a Lola. Tomara que tudo fique bem enquanto você estiver fora. Como você disse que ela é dorminhoca, então nem deve sofrer com a sua ausência por algumas horas. Continua relatando a experiência aqui porque agora bateu curiosidade. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ai, torcendo muito para ela se adaptar. Tão linda! Os galgos, para mim, são os mais lindos ~ e costumam ser tão quietinhos. Mas tem essa coisa do instinto da caça, né? Tomara que ela aprenda a ficar cada dia mais "doméstica" e deboas. :)

    ResponderExcluir
  6. Que lindinha! <3
    Eu penso muito em adotar um cãozinho, mas sempre fico com receio por não ter horários bem definidos de trabalho e por adorar estar na rua. Essa parte das necessidades na sala me assusta um pouco também, mesmo sabendo que normalmente eles aprendem rapidinho. Mas acho que, com todos os pontos positivos, até fica mais fácil aguentar as dificuldades, né? Minha mãe odiava cachorros, aí 3 anos atrás minha tia apareceu do nada em casa com uma cadelinha pra minha irmã. Hoje, minha mãe é a pessoa que mais gosta de bichinhos, hahaha, e fala sobre o quão legal é ter uma companheira canina em casa que sempre espera por ela e adora receber carinho. :)

    ResponderExcluir
  7. Apaixonei na Willa, que linda!!
    Imagino que deva ser bem dificil toda essa adaptação, mas tô aqui torcendo pra que de tudo certo e que a Lola e a Willa fiquem super amigas. Passando essa fase inicial de estresse, acho que depois as coisas tendem a melhorar sim, aos pouquinhos, com muita paciência e amor, tudo da certo no final <3

    ResponderExcluir
  8. Eu tô completamente apaixonada. Dá até uma dorzinha saber que o período de fostering tá acabando!

    ResponderExcluir
  9. A Willa é bem curiosa em relação à Lola, fica querendo saber o que é a coisinha peluda que rosna pra ela, mas a Lola não tá nem um pouco interessada em fazer amizade! Hahahahaha.

    ResponderExcluir
  10. Ela é um amorzinho. Mesmo sendo bem jovem, já é quietinha e super delicada.

    ResponderExcluir
  11. Cão é um bichinho mágico, mas realmente nem sempre encaixa no nosso estilo de vida.
    Em relação as necessidades, já fazem dois dias que ela não tem nenhum acidente em casa. Aprendeu bem rápido, ainda bem.
    Eu era que nem sua mãe em relação a gatos! Detestava, achava que era um animal que não gostava do dono... até conhecer realmente gatos e ter adotado a Lola. Agora sou crazy cat lady assumidíssima, hahahaha.

    ResponderExcluir
  12. Os primeiros dias são sempre mais difíceis, mas Willa tá cada vez mais confortável com a vida familiar e cada vez mais fofa. ♥︎
    Tenho certeza que quem quer que dê um lar pra ela, vai ter a melhor cachorrinha do mundo (os dedos estão cruzados para que essa pessoa sortuda seja eu, né, mas infelizmente não depende só de mim hahahaha).

    ResponderExcluir
  13. Que linda atitude, Luh!
    Sei como pode ser difícil ter um cachorro em apartamento, mas parece que ele dorme tanto <3]

    Tomara que a Willa se acostume logo e que ela e a Lola passam ser grandes amigas! ♥♥♥
    Estou torcendo por vocês!

    ResponderExcluir
  14. Que amorzinho a Willa!! Eu tinha um cachorro MUITO parecido com ela que também foi adoção! Adorei esta largadona no sofá heheheh xD
    Aos poucos ela acostuma com a casa, a gata e as regras tudo, bichinho é amor ❤️
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Tudo que nos tire da nossa zona de conforto merece atenção mutua. Com o tempo a Willa irá se acostumar com a rotina, quem sabe dormir menos e brincar mais. Nunca se sabe... E você daqui uns tempos nem ligará mais pro habito de acordar cedo pra levar ela pra passear.

    Um abraço e boa sorte.
    http://julietincrisis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Muito fofa, já estava morrendo de saudades de ter um cachorrinho em casa.

    ResponderExcluir
  17. Ela resolveu brincar com meus cactos! Hahahaha. Comigo é que ela não entende muito bem o que é brincar, fica me olhando com cara de "o que tu tá fazendo sua louca?". Hahahaha.
    Obrigada. ♥

    ResponderExcluir
  18. ai que lindínea ♥ HAHA e é bem provável que ela esteja na mesma pilha de emoções. logo logo cês três se acostumam com a new life :)

    ResponderExcluir