Sobre Querer um Cachorro

abril 26, 2016

A vida tem fases e fases. Se você me perguntasse uns meses atrás se eu gostaria de ter cachorro, a resposta provavelmente seria um "não" bem enfático. Não porque eu não gostasse de cachorros, eu sempre amei cachorros. Mas estava numa época da minha vida que sobrava apatia e faltava paciência. A ideia de ter um animal que me demandasse dedicação, esforço, atenção constante, me obrigasse a sair da minha zona de conforto era impensável. A verdade é que cachorros exigem algo que eu, naquele momento, não tinha pra oferecer. Eu não podia me doar a eles porque eu não tinha muita coisa pra doar.

Porque da mesma forma que cachorros te amam mais que tudo, você tem que amá-los de volta. Não dá pra ser egoísta e só pensar em si mesmo e ter um animal, se não ele roda no primeiro sapato mastigado ou almofada destruída. Cachorros são meio terapêuticos no sentido de criar um pequeno caos e te ensinar a manter a calma diante disso. Te lembram que você não pode ter o controle sobre tudo, mas que tá tudo bem nas coisas não serem perfeitas. De noite você deita a cabeça no travesseiro e percebe que sobreviveu a mais um dia. E vai sobreviver ao próximo.

Cheguei em outro ciclo da vida. Um ciclo em que o cachorro não é mais um incômodo. Uma fase em que finalmente tem energia boa pra ser distribuída. A apatia tá sendo substituída lentamente por vontade de crescer, construir, semear algo. Em que eu tô aprendendo a abrir mão de querer controlar tudo: as ações e as consequências. Aprendendo a não desistir de felicidade pra evitar um possível sofrimento no futuro. Um cachorro nesse momento viria quase como uma muleta, uma ajuda emocional. Ter uma criatura de quatro patas que me lembre que independente de tudo, todo ser humano é passível de ser amado e aceito. Uma motivação pra acordar de manhã, levantar da cama, sair na rua e lembrar que a vida existe. Que bagunça é inevitável e não é o fim do mundo. Que às vezes a gente tem que fazer coisas que não tá muito a fim de fazer pra ter coisas que quer ter, tem que se contrariar um pouco. E que não dá pra simplesmente chutar o balde e ir empurrando responsabilidade com a barriga. Cachorro não te deixa muito espaço pra procrastinar, o que é bom, porque a procrastinação é um hábito inofensivo que vira um vício destrutivo muito rápido. É o primeiro passo pra auto-sabotagem.

E talvez essa reflexão toda tenha mais a ver comigo mesma do que com o animal.

10 comentários:

  1. a reflexão serve tanto pra vida (com ou sem dog) que eu nem sei o que dizer. mas se precisar de um empurrãozinho, só pode dizer que: não há do que se arrepender, se joga! :) e amigos-animais fazem tão, tão, mas tão bem ♥ indico forte!

    ResponderExcluir
  2. menina, acabei de conhecer seu blog e tô assim, encantadíssima <3
    sobre seu dog: que bom que vc tem a maturidade de pensar nas coisas que você tem para dar para o bichinho, sabia? eu conheço muita gente que só pensa nisso pelo hype, pelas fotos do instagram, pelo "tenho que ter o cachorro X", e aí, cara, é tão sofrido pro animal que nem sei. mas é como você falou: a gente tem esses momentos em que pode se doar mais, lidar melhor com o caos e a bagunça, e tenho certeza que um cachorrinho vai te fazer muito feliz!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Luiza!
    Ter um animalzinho para nós cuidarmos sempre é muito bom! Você se sente mais amada que tudo! A algum tempo atrás tive um cachorro, adotei um vira-latinha com cara de fila, apesar de Chorão ser quase um Marley, eu amei muito ele. Infelizmente ele teve uns vermes e morreu. Chorei mais que a vida... E agora não pretendo ter outro cachorro tão cedo. Tenho que concordar totalmente com essa parte que você escreveu: "Cachorro não te deixa muito espaço pra procrastinar, o que é bom, porque a procrastinação é um hábito inofensivo que vira um vício destrutivo muito rápido. É o primeiro passo pra auto-sabotagem.", Não só pela parte do cachorro acabar com um pouco da nossa procrastinação, mas também na parte de que nós ACHAMOS que a procrastinação é inofensiva, mas ela é muito destrutiva, principalmente quando acompanhada da acomodação... Acaba que deixamos de correr atrás do nossos sonhos e de crescer tanto pessoal quando profissionalmente! Fico muito feliz por você estar trocando a apatia pela vontade de crescer! Sempre é bom crescer, independente de em qual "área" da sua vida! Apesar de ser impossível controlar tudo, sempre da pra ser muito feliz mesmo assim!

    Beijos e até mais!

    ResponderExcluir
  4. Animais são uns seres mágicos se a gente estiver disposto a encarar assim. E se doar é sempre bom, seja pra um animal ou pra qualquer outra coisa nessa vida, né? Tô amando essa fase.

    ResponderExcluir
  5. As pessoas às vezes esquecem que é um ser vivo que não existe só nas horas que a gente quer, né? Fico muito triste quando vejo animalzinho que depois que passa a novidade inicial fica esquecido por aí. E ô, muitíssimo obrigada, viu? ♥

    ResponderExcluir
  6. Poxa, lamento muito pelo Chorão! Perder um animalzinho é muito difícil mesmo, há alguns anos atrás eu perdi dois gatinhos que eram FELV+ num intervalo de duas semanas e foi uma das coisas mais doidas da vida. Isso da procrastinação é super verdade, essa combinação de procrastinação e acomodação é horrível pra tudo e com o tempo acaba com a nossa felicidade.

    Obrigada. ♥

    ResponderExcluir
  7. Eu tinha um medo enorme de animais. Mas tive a oportunidade de perder o medo irracional através do Godard (o cachorrinho da minha irmã). É incrível o que um animalzinho nos ensina: compaixão e solidariedade estão na minha lista, além de ser feliz com pequenas coisas. Afinal um sapato para mastigar já é um super brinquedo, não!?

    * Sobre a sua reflexão: pode ler todo dia?

    ResponderExcluir
  8. Que nome incrível o do cachorro da sua irmã! Hahaha. Cachorros são os maiores professores de "ser feliz por qualquer motivo". ♥

    ResponderExcluir
  9. E o tapa na minha cara nesa parte sobre a procratisnação? Preciso dar um jeito na minha vida urgente! Sobre ter um bichinho, realmente vc aprende muito sobre várias coisas e passa a ser mais responsável, afinal tem um serzinho que depende completamente de você. É preciso estar disposto mesmo a se doar antes de decidir levar um bichinho pra casa. Linda reflexão. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Hábito horrível que a gente adquire, né? Passei anos achando que não tinha problema, só agora mesmo que tô tomando vergonha na cara e tentando tomar jeito. Obrigada, Alê.

    ResponderExcluir